Portos Brasileiros já movimentaram 377,9 milhões de toneladas

Postado por Thais Camargo em 11/out/2023 - Sem Comentários

Os portos públicos e privados no Brasil movimentaram, no período de janeiro a abril deste ano, 377,9 milhões de toneladas em cargas. Isso significou um aumento de 1,47% em relação ao mesmo período no ano passado.

As movimentações de exportação e importação somaram 259,1 milhões de toneladas. As informações são da Agência Nacional de Transportes (ANTAQ).

Acesse nosso site e saiba mais sobre a FTSpar www.ftspar.com.br

Portos do Paraná fecham 30,8 milhões de toneladas movimentadas no 1º semestre

Postado por Thais Camargo em 13/set/2023 - Sem Comentários

Os portos de Paranaguá e Antonina fecharam o primeiro semestre de 2023 com movimentação de 30,8 toneladas embarcadas e desembarcadas, o que representa um aumento de 6% em relação ao mesmo período de 2022 (com 29.013.459 toneladas).

O desempenho ajudou o Paraná a alcançar o recorde de exportações no primeiro semestre e reforça a expectativa positiva para o segundo semestre. Os granéis sólidos representaram quase 63,4% da movimentação total.

Saiba mais em www.FTSpar.com.br

Porto de Antonina tem ganho operacional após conclusão das obras de dragagem

Postado por Thais Camargo em 30/ago/2023 - Sem Comentários

A Portos do Paraná atualizou, nesta terça-feira (29), a Norma de Tráfego Marítimo e Permanência nos Portos de Paranaguá e Antonina. O principal ajuste foi no aumento do calado operacional do Porto de Antonina. Com berços, bacia de evolução e canal de acesso dragados, o ganho foi de 0,5 metro.

O calado é a profundidade em que as embarcações podem ficar submersas na água, quando carregadas. Com a alteração, essa medida passa de 8,5 metros para 9 metros, em Antonina. Assim, os navios podem entrar ou sair mais carregados, o que garante mais atratividade para o Porto de Antonina.

“Por contrato, é nossa reponsabilidade manter o canal de acesso e bacia de evolução do Porto de Antonina dragados e adequado às dimensões. Esses 9 metros são mais um avanço que conquistamos em parceria com a Praticagem, as empresas de rebocadores e a Marinha do Brasil”, explica o diretor-presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia.

Segundo ele, o ganho representa, diretamente, mais carga e menor custo para os usuários do Porto de Antonina. “Estamos desenvolvendo, cada vez mais, não apenas Paranaguá, mas também Antonina, garantindo melhores condições e mais oportunidades de negócios”, completa.

Nos dois berços de Antonina, onde opera a empresa arrendatária Porto Ponta do Félix, podem atracar navios de 200 metros de comprimento (LOA) e 34 metros de largura (boca).

“O aumento do calado representa, pelo menos, 4 mil toneladas a mais em cada navio”, afirma Gilberto Birkhan, presidente do Porto Ponta do Félix. “Isso tem um impacto enorme na arrecadação do município, geração de mais renda e trabalho dentro da atividade portuária e chega até o setor produtivo”, completa.

DRAGAGEM – Como explica o diretor de Engenharia da Portos do Paraná, Victor Kengo, a aprovação do novo calado para o Porto de Antonina é resultado da última campanha de dragagem, aliado ao estudo da Praticagem sobre as condições de maré.

A atividade integra a atual fase do Programa de Dragagem de Manutenção, que começou em 2019, aprovado pelo Iibama – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

“Em junho, concluímos com êxito a dragagem de manutenção do acesso à Antonina. Em conformidade com a nova norma estabelecida, que governa as manobras com calado de nove metros, torna-se obrigatório que os navios fundeiem até obterem condições adequadas de corrente, vento e maré para as manobras de atracação”, afirma o diretor. Ele ressalta ainda que a empresa arrendatária assume a responsabilidade pela dragagem dos berços.

Como explica Kengo, concluídas as atividades de dragagem, a autoridade portuária submete o pleito à autoridade marítima – Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos do Paraná (CCPR) –, que analisa o mérito, podendo pedir auxílio à Praticagem local.

Quando o pedido é acatado, a CPPR concede anuência e, a partir dessa, a autoridade portuária emite uma O.S/Portaria fazendo valer as medidas. Esta última saiu com a Portaria número 238-2023.

Você sabia que as empresas do Grupo FTSPar têm uma participação vital no cenário portuário do Paraná?

Postado por Thais Camargo em 25/ago/2023 - Sem Comentários

Através das empresas FORTEPAR, FORTESOLO, FORTENAVE e Porto Ponta do Félix, desempenhamos um papel fundamental na chegada e partida de uma parte substancial do açúcar que transita pelos portos de Paranaguá e Antonina.

Nossas empresas estão à frente das mais importantes atividades do mundo portuário: operações portuárias de exportação e importação, gerenciamento marítimo, movimentação de carga e armazenamento estratégico.

Nosso objetivo é mais do que negócios; é ser um parceiro confiável para nossos clientes e uma força motriz na economia local e global.

Recorde de exportações nos Portos do Paraná

Postado por Thais Camargo em 03/ago/2023 - Sem Comentários

O Porto Ponta do Félix é o único porto em operação no município de Antonina, no Paraná.

E olha que notícia boa!

Os portos do Paraná fecharam o primeiro semestre com movimentação de 30.898.006 toneladas embarcadas e desembarcadas, aumento de 6% em relação ao mesmo período de 2022 (com 29.013.459 toneladas).

Só em junho, entre importações e exportações, 5.677.557 toneladas de cargas passaram pelos terminais de Paranaguá e Antonina.

O desempenho nos seis primeiros meses ajudou o Paraná a alcançar o recorde de exportações num primeiro semestre.

E a expectativa é positiva para o segundo semestre!

Saiba mais sobre o Porto Ponta do Félix e conheça as vantagens de importar e exportar por Antonina.

www.portopontadofelix.com